1993 - No ano da fundação, o Escravos da Mauá desfilou com um samba que falava sobre o tempo em que o mercado de escravos ficava na região portuária (na atual rua Camerino, bairro da Gamboa) e comparava a chegada dos navios negreiros de então com a dos navios dos "gringos" que, séculos mais tarde, atracavam na Praça Mauá.

Samba: Navio Negreiro - Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: José Maldonado


1994 - Nesse ano, os Escravos se integraram ao Programa de Ação da Cidadania Contra a Miséria e pela Vida. A arrecadação dos eventos pré-carnavalescos realizados pelo Comitê INT foi revertida para a campanha.

Samba: Cidadania na Praça Mauá - Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Lilian Vieira


1995 - Os Escravos se aliaram ao Centro Cultural José Bonifácio, centro municipal de memória e referência da cultura negra, localizado na região portuária. O desfile do bloco terminou no evento Carnaval da Gamboa, realizado pela Prefeitura, do qual participaram também diversos blocos afros e carnavalescos, grupos de jongo e bumba-meu-boi e a Escola de Samba Vizinha Faladeira, cuja quadra fica no bairro do Santo Cristo.

Samba: Tamborins da Amizade - Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Lilian Vieira


1996 - Os Escravos receberam o apoio do pessoal do Cabaré Kalesa, local onde foram realizados eventos de divulgação da região e de sua importância histórica e cultural para a cidade.

Samba: Ó o auê aí ó !
Clique aqui para escutar
Camiseta: Ilustração de Nássara


1997 - Nesse ano, o bloco se inseriu no projeto cultural CIRCUITO MAUÁ, que incluíu a produção de Cd-Rom e "site" na Internet sobre os bairros portuários da cidade, além da realização (e gravação em vídeo para o Cd-Rom) de diversos eventos com grupos ligados à cultura popular na região: Afoxé Filhos de Gandhi (com sede no bairro da Saúde), Jongo da Serrinha, Bumba-meu-boi de Mestre Manoel Estevão, grupos de Capoeira de Angola, Escola Vizinha Faladeira (com quadra em Santo Cristo) e o próprio bloco Escravos da Mauá. Nesse ano, as atividades dos Escravos da Mauá extrapolaram o carnaval, com a inauguração das RODAS DE SAMBA no Largo de São Francisco da Prainha, toda última sexta-feira de cada mes.

Samba: Abre, que eu quero passar ! - Eliane e Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Marta Strauch


1998 - Dando continuidade ao projeto cultural CIRCUITO MAUÁ, os Escravos homenagearam os sambistas e grupos afro-brasileiros que participaram do Cd-Rom.

Samba: Artistas da Mauá - Eliane Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Fernando Braga


1999 - O bloco desfilou exorcizando as chuvas de verão e o incêndio que destruiu o bar que, desde a fundação dos Escravos da Mauá, sediava as rodas de samba e os ensaios do bloco.

Samba: No Largo da Prainha - Zé da Lata e Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Fernando Braga

2000 - No carnaval de 2000, os Escravos da Mauá entraram na avenida com o belíssimo samba "Desce o morro, Conceição". O samba homenageava um baluarte da história da cidade, o Morro da Conceição, em cuja base fica a nossa sede social a céu aberto, o Largo de São Francisco da Prainha. A letra, muito inspirada, dizia:"Prainha: a história que ancorou. Saudade de um futuro que, no duro, nem ainda começou". E chamava os famosos personagens do lugar: Donga, João da Baiana e Sinhô, além das crianças moradoras do Morro e seus arredores que, fantasiadas de clóvis, colombinas e pierrôs, descem todo ano para o nosso desfile.

Samba: Desce o morro, Conceição! - Zé da Lata, Pedro Müller, Fernando Braga e Ricardo Costa
Clique aqui para escutar
Camiseta: Esse ano, os Escravos da Mauá fizeram concurso de camiseta, com juri técnico e juri popular. A vencedora foi a cabrocha Maristela.


2001 - Nesse ano, os Escravos da Mauá receberam um baita presente: o grande Moacyr Luz, que antes só tinha um (hum) bloco de coração (o "Nem muda, nem sai de cima") começa a freqüentar as rodas de samba da Mauá e a visitar os botequins do Morro da Conceição, se apaixonando definitivamente pelo lugar. O resultado foi "Navio do Samba", com que os Escravos da Mauá arrasaram em seu animadíssimo desfile de 2001. Lembrando o triste passado em que a região do porto abrigou o mercado de escravos, nos séculos 18 e 19, Moacyr compôs o refrão cantado a plenos pulmões no carnaval: "Escravos da Mauá, me diz aí, o que que há. Escravos da Mauá, eu vim aqui me libertar!"

Samba: Escravos da Mauá (ou "O som do Rio de Janeiro")- Moacyr Luz
Clique aqui para escutar
Camiseta: Um presente de Fernando Braga, retratando o nosso carro de som e vários dos componentes e fundadores dos Escravos da Mauá

2002 - Quando o Bush ameaçou acabar com o mundo prá salvar a honra da América, a Velha Guarda dos Escravos da Mauá se reuniu em caráter de urgência urgentíssima e respondeu com um samba falando de paz. O samba ratificava ainda a tradição dos Escravos da Mauá de evitar as brigas que costumam acontecer durante as escolhas do samba do ano em diversos blocos da cidade. Divulgando sua intenção de evitar a qualquer custo os "arranca-rabos" por causa de samba, os Escravos divulgam então sua intenção de desfilar sempre com sambas de autoria coletiva da Velha Guarda do bloco, passando esta a admitir, a cada ano, os interessados em contribuir para essa gloriosa missão.

Samba: SAMBA, AMOR E PAZ (10 carnavais. Queremos mais!) - Velha Guarda dos Escravos da Mauá
Clique aqui para escutar

Camiseta: Um presente do grande cartunista Claudius.


2003 - Quem sonhou pode acordar! Sambando de braços abertos pros ventos de mudança e de muita esperança que tomaram conta do Brasil, os Escravos cantam esse ano "Lua do Povo", de autoria da Velha Guarda dos Escravos da Mauá. O samba homenageia também a lua, personagem que, na maioria das vezes, enfeita lindamente as noites de Samba da Mauá.

Samba: Lua do Povo - Velha Guarda dos Escravos da Mauá

Clique aqui para escutar
Camiseta: Vencedora do Concurso de Camisetas-2003, a camiseta desse ano é de Pedro Duarte.

Em 2004, os Escravos da Mauá homenagearam um personagem muito caro à região de seus ensaios: Joâo Cândido, o "Almirante Negro", líder da Revolta da Chibata que explodiu no porto do Rio de Janeiro, em 1910, contra os maus-tratos impostos aos marinheiros negros nos navios. Aceitando o acordo proposto pelo então presidente Hermes da Fonseca, cerca de 2000 marinheiros, que tinham a cidade sob a mira do fogo dos navios, depuseram as armas e foram traídos, presos e mortos. Anos mais tarde, João Cândido foi imortalizado por João Bosco e Aldir Blanc como "o mestre-sala dos mares". Ao Almirante Negro, agora, a emocionada homenagem dos Escravos da Mauá.

Samba: Quilombo da Mauá - Velha Guarda dos Escravos da Mauá

Clique aqui para escutar
Camiseta: Vencedora do Concurso de Camisetas-2004, a camiseta desse ano é de Alexandre Guedes e Fernando Braga. Veja AQUI as demais concorrentes.


2005 - Este ano traz a nostalgia do nosso primeiro carnaval, em 1993, no tempo em que éramos um bloco realmente nanico-porém-muito-corajoso e cabíamos todos (sentados) no Bar da d. Sonia, em cuja calçada praticamos até hoje o street-samba, devido ao incêndio do referido logradouro. Na homenagem, cabem, é claro, todas as cabrochas, cabrôchos (êpa!), militantes e simpatizantes do Samba da Mauá das horas seguintes e, mais ainda, os amigos e amigas de todas as horas.

Samba: Navio Negreiro - Ricardo Costa

Clique aqui para escutar
Camiseta: José Maldonado

2006 - Boa companhia faz o dia clarear
Esse ano, o carnaval dos Escravos da Mauá homenageou o Largo de São Francisco da Prainha como frente de resistência da esperança, da amizade e da alegria, saudando os amigos que, desde 1993, são o ponto alto dos nossos encontros.

Samba: Boa companhia faz o dia clarear - Ala dos compositores

Clique aqui para escutar
Camiseta: Vencedora do Concurso de Camisetas-2006, a camiseta desse ano é de Leo Conrado. Veja AQUI as demais concorrentes.


2007 - Raízes do samba (o samba se espalhou pela cidade) Os Escravos da Mauá comemoram a retomada do samba no Rio de Janeiro, com rodas que hoje se espalham por todos os bairros. Muitas dessas rodas de samba - como as que os Escravos da Mauá fazem mensalmente no Largo de S. Francisco da Prainha - acontecem na rua, criando não só alternativas pra se tocar, cantar, e encontrar amigos, mas também felizes oportunidades de ocupação do espaço público pelo bom humor, pela paz e pela alegria, enfim, pelo que há de melhor na música e no espírito cariocas.

Samba: Raízes do Samba (o samba se espalhou pela cidade) - Ala dos compositores

Clique aqui para escutar
Camiseta: Vencedora do Concurso de Camisetas-2007, a camiseta desse ano é de Ana Oliveira e Patricia Reinheimer. Veja AQUI as demais concorrentes.

2008 - Samba do ventre livre


Samba: Samba do ventre livre - Ala dos compositores

Camiseta: Nesse carnaval (o 16º dos Escravos da Mauá), a estampa da camiseta foi um presente do grande cartunista Claudius, que pela 2ª vez nos faz esse carinho.


2009 - Um ano especial! Durante os ensaios para este carnaval, os Escravos da Mauá lançaram o documentário que registra 15 anos de atividades do bloco. O samba e a camiseta tiveram como enredo a chuva e a lua cheia.

Samba: O RIO É DE TODOS NÓS (OU "A FESTA DO LAVA-PÉS") - Ala dos compositores

Camiseta: o desenho escolhido para a camiseta deste ano é de Patricia Reinheimer.

O bloco Escravos da Mauá desfila na última quinta-feira ANTES do carnaval e tem concentração no Largo de São Francisco da Prainha a partir das 19 horas. Entre um e outro carnaval, uma vez por mês, o bloco organiza uma animadíssima roda de samba em sua "sede social a céu aberto", o Largo de São Francisco da Prainha. Sempre com o Fabuloso Grupo Eu Canto Samba e seus fabulosíssimos convidados.

"Batuque do samba na Pedra do Sal, azul e amarelo é o meu carnaval !"